Separados, mas até que ponto?

Você decide casar ou morar com alguém e aposta todas as suas fichas nisso. Durante a jornada a dois...

Você decide casar ou morar com alguém e aposta todas as suas fichas nisso. Durante a jornada a dois percebe que as coisas saíram dos trilhos e a relação tornou-se insustentável. Sem enxergar mais opções para a vida em comum você resolve se separar. E assim procede!

 

Com isso, você acreditou que ficaria livre dos intermináveis desentendimentos que vivia no “ex” relacionamento, até perceber que a troca de farpas e as retaliações não cessaram com a separação. Ou seja, a sua mudança de estado civil não deu nenhuma trégua para o seu pobre estado emocional.

 

Continua, assim, em um embate que é apenas a variação de um mesmo tema, já conhecido de outros carnavais. E, além disso, não adianta correr para a galera e tentar se reinventar sem ter fechado um capítulo de sua vida. Em outras palavras, sem ter se libertado das amarras invisíveis que lhe prendem.

 

Uma coisa é certa: antes de romper com alguém é preciso romper com os padrões que lhe mantém em um vínculo indesejável. A participação ativa, de cada um dos lados, nesse processo desgastante - se bem que inconsciente -, não costuma ser por acaso. Para além daquela química da atração inicial entre duas pessoas existe a dos padrões emocionais e comportamentais que podem continuar atuando apesar do colapso na convivência.

 

A resposta para a libertação desse sofrimento reside no autoconhecimento. Isto é, na compreensão dos próprios limites e possibilidades para seguir adiante sem investir energia em brigas que, por sinal, mantêm uma pessoa atrelada à outra após a separação. Portanto, tem que deixar de alimentar a dinâmica disfuncional.

 

Seja concordando ou não com a condição de rompimento a dois é preciso aceitar que um deixará de existir dentro do outro com o mesmo significado que tinham antes de se despedirem de uma vida em comum. Caso contrário haverá a “via crucis” da repetição desta mesma fotografia em futuros relacionamentos.