A vida não funciona em Ctrl C + Ctrl V

Em termos tecnológicos, a maioria das pessoas se beneficia de um atalho no teclado do computador, o Ctrl+C, para copiar texto, imagem ou qualquer outra coisa que o valha e...

Em termos tecnológicos, a maioria das pessoas se beneficia de um atalho no teclado do computador, o Ctrl+C, para copiar texto, imagem ou qualquer outra coisa que o valha e, de outro, o Ctrl+V, para colar o material em algum lugar do seu interesse. Uma tarefa simples de realizar, mas que não se deve exagerar na medida dessa prática nem desconsiderar seus desdobramentos.

Um efeito desastroso disso pode ser observado na facilidade obtida nos atalhos “copiar e colar” que pode levar à automatização humana na hora de executar trabalhos que exigem atualização e revisão de informações comprometendo a excelência nos resultados compartilhados. Recursos tecnológicos podem ajudar a economizar tempo, mas não dispensam a atenção e o compromisso em relação aos propósitos a serem alcançados nos afazeres que envolvem mais pessoas.

Essa mesma premissa pode ser comparada à vida humana, dotada de muitas possibilidades, na qual a metáfora “Crtl C + Ctrl V” só contribui quando a repetição de uma ação se encaixa adequada e satisfatoriamente em alguns contextos. Caso contrário, e na maioria das vezes, é sempre possível rever escolhas, experiências, palavras, comportamentos e as situações em questão, para evitar repetições que levam aos mesmos desdobramentos já conhecidos, e até indesejáveis.  Esse exercício também possibilita o reconhecimento da própria participação, e responsabilidade, nas ações praticadas. 

Sem se implicar com o significado que tem os próprios atos em cada circunstância da vida, assim como com a chance que isso oferece para se reconsiderar crenças pessoais disfuncionais, equívocos e mal-entendidos que prejudicam o pleno funcionamento humano não há presença na própria vida. Ou seja, funcionar como um robô, à base do copiar e replicar, sem avaliar limites e possibilidades para o bem-estar próprio e coletivo, pode significar resistência para sair do mesmo lugar. 

A capacidade cognitiva do ser humano é uma preciosa ferramenta a sua disposição para ser estimulada e testada ao longo da existência. É um potencial que permite reconhecer os próprios recursos internos para criar, se reinventar e até otimizar o uso dos instrumentos tecnológicos de forma adequada e saudável. Assim como vencer a acomodação costuma levar a resultados surpreendentes e bem sucedidos. Vale ressaltar que os atalhos, em muitos casos, não encurtam os caminhos que precisam ser percorridos na vida.

 

Margareth dos Reis