Como ajudar o cãozinho a superar a perda do companheiro?

Não é fácil para ninguém perder um companheiro de vida...

Não é fácil para ninguém perder um companheiro de vida, e com os cães isso não é tão diferente. Ao perder um membro importante da “matilha” (seja da mesma espécie ou até mesmo um companheiro humano), cães demonstram tristeza e luto por um período, o que deve ser respeitado e encarado como uma forma natural de lidar com a perda.

 

O importante a saber em um momento como este, é que a intensidade de sua tristeza dependerá principalmente das mudanças que a perda irá lhe acarretar.


Alterações repentinas em seus hábitos diários são extremamente sentidas por eles, que acabam perdendo a confiança e familiaridade com o mundo. Se aquele que se foi o entretinha com brincadeiras ou outras atividades, você terá de avaliar maneiras de suprir esse entretenimento que deixou de existir.


Lembre-se de procurar manter a dinâmica da rotina de quem ficou o mais atraente possível, afinal o sentimento de não ser mais útil ou parte da matilha pode ser pior do que a própria perda em si. Isso não quer dizer que você terá que entretê-lo o dia todo ou evitar que ele fique só. Cães adoram descansar e nesse momento o descanso também é importante.


Outro ponto a se considerar, são as atitudes e emoções que os membros que ficaram irão exibir. Muitas vezes aquilo que você está vendo em seu cão que ficou, nada mais é do que a sua própria emoção exposta. Sendo assim, é imprescindível retomar a confiança, garantindo que quem ficou não se sinta perdido. Tomar as rédeas e demonstrar uma boa liderança lhe dá o controle da situação. Limites, brincadeiras e passeios diários sempre ajudam e em casos de cães que adoram passear, intensificar esse momento também vale.


Cães tendem a se adaptar facilmente à novas situações. Um bom exemplo disso são cães que vivem felizes dentro de uma família e que por algum motivo específico precisam mudar de “conjunto”. Se o novo grupo lhe acolher bem, oferecendo-lhe proteção, carinho, espaço, brincadeiras, exercício físico regular, entre outros, sua adaptação será notavelmente rápida e seu novo elo tão forte quanto o anterior.


Tome cuidado com o excesso de carinho e em liberar seu cão a fazer tudo o que antes era proibido. Isso pode confundi-lo e passar uma ideia de fraqueza, o que prejudicará a sua melhora e pode contribuir para que ele desenvolva problemas comportamentais como medo, agressividade, etc.


Outro erro muito comum nesse momento é trazer um novo membro à família, a fim de “substituir” a falta daquele que se foi. Cães precisam de lares estruturados, ainda mais na primeira fase da vida, e a presença de um novo cão pode parecer ameaçador para aquele que está em luto. Não há problema algum em querer mais um cão em casa, mas espere até que as coisas tenham se normalizado e a matilha esteja em condições para receber um novo membro de forma saudável.


Os principais sintomas notados em cães que estão passando por uma “fase” de luto são:


-Falta de apetite

-Carência (tornam-se mais afetivos)

-Apatia (isolam-se)

-Excesso de vocalização

 
Se mesmo com o seu auxílio os sintomas persistirem ou não melhorarem, não deixe de procurar um profissional da área de adestramento. Ele poderá avaliar melhor a situação e auxiliá-lo para que a harmonia volte ao seu lar.

 

Marília Vargas Madureira – Adestradora e Consultora Comportamental

E-mail: mar_madu@yahoo.com.br